Início / Mar / Aquacultura / Unidade experimental de aquacultura da Jerónimo Martins continua em consulta pública até 14 de Setembro

Unidade experimental de aquacultura da Jerónimo Martins continua em consulta pública até 14 de Setembro

A DGRM – Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos prorrogou o prazo de consulta pública relativa ao pedido de autorização para instalação de uma unidade experimental de aquacultura que visa a avaliação do crescimento do Salmão do Atlântico (Salmo salar) a cerca de 11 milhas náuticas a sudoeste de Aveiro, até 14 de Setembro de 2018.

A este propósito, a DGRM promove, no dia 31 de Agosto de 2018, pelas 10h30, no seu edifício sede, na Avenida Brasília, em Lisboa, uma sessão pública de esclarecimento no âmbito do Edital n.º 04/2018 DGRM, relativo ao Título de Utilização Privativa do Espaço Marítimo Nacional (TUPEM).

Seaculture

A Seaculture (subsidiária da Jerónimo Martins Agro-Alimentar) e a NORD (empresa norueguesa de desenvolvimento de projectos, na indústria marinha e aquacultura) juntaram-se neste projecto de pesquisa.

Segundo o pedido de autorização, Portugal importa mais de 10,000 toneladas de salmão anualmente. A Jerónimo Martins (JM) é um dos principais importadores deste produto, o qual é vendido através da sua rede de lojas no País (Pingo Doce e Recheio).

Estudo realizado em 2017

A fim de assegurar o fornecimento estável, a rastreabilidade e a qualidade do fornecimento, a JMA realizou em 2017 um estudo para avaliar as condições e potencial, para a produção de salmão do Atlântico em Portugal em regime de aquacultura intensiva.

Com base nos resultados deste estudo, a JMA pretende agora realizar um teste piloto, com a colocação de uma jaula no mar e avaliar os parâmetros biológicos de crescimento do salmão nas águas nacionais.

 

Detalhes das possibilidades em estudo para jaula de teste. A) Jaula em Aço. B) jaula em HDPE.

Teste até 2019

O teste será realizado ao longo de um período de 6-8 meses, entre 15 de Setembro de 2018 e 15 de Março de 2019, num local a 11 milhas náuticas a sudoeste de Aveiro.

Os objectivos do teste são:

  • Avaliação do crescimento e parâmetros biológicos dos peixes
  • Tecnologia de sensores
  • Vídeo vigilância
  • Tecnologia de ancoragem
  • Hidrodinâmica da jaula submersa
  • Suporte e fornecimento de tecnologia de bóia de suporte, incluindo baterias, painel solar, sistema de alimentação
  • Recolha de dados oceanográficos.

Amostragem

Os juvenis de salmão para o teste serão provenientes de um fornecedor na Noruega. Antes de serem enviados para Portugal o fornecedor terá de apresentar certificados veterinários de que o peixe está livre de patógenos.

Antes de saírem da Noruega será feita uma recolha e análise veterinária apara comprovar que os peixes não transportam alguns dos patógenos responsáveis pelas doenças mais comuns em salmão (ISA, VHS, IPN, BKD, SRS, Furuncolosis).

Durante o período de testes, mensalmente, uma amostra de 50 peixes será recolhida da jaula para análise de vários parâmetros.

Embarcação de apoio

Em colaboração com o IPMA — Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a embarcação de apoio (MS Diplodus) será utilizada para deslocar a jaula para as suas várias posições operacionais, bem como para o transporte de pessoal e alimentação de e para o Porto de Aveiro.

A operação diária do teste exigirá o acesso a instalações de apoio no porto de Aveiro, bem como um armazém para armazenar alimentos e equipamentos que não serão armazenados a bordo do navio, explica a Jerónimo Martins.

Saiba tudo sobre o projecto, o pedido e como participar na consulta pública aqui.

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

Agricultores afectados pela tempestade Leslie com apoios garantidos

O secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, visitou esta manhã, 15 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.