Início / Agricultura / UE renova licença do glifosato por cinco anos. Portugal manteve abstenção

UE renova licença do glifosato por cinco anos. Portugal manteve abstenção

A União Europeia decidiu, ao início da tarde de hoje, 27 de Novembro, a renovação da licença para a utilização do glifosato na agricultura do espaço comunitário por cinco anos, com o voto positivo de 18 Estados-membros, e nove votos contra. Portugal manteve a abstenção.

A votação foi realizada numa reunião de recurso do Comité Permanente dos Vegetais, Animais e Alimentos para Consumo Humano e Animal, após ter sido, por duas vezes, adiada a decisão, pela ausência da maioria qualificada exigida nas votações dos representantes dos Estados-membros da União Europeia, nos passados dias 25 de Outubro e 9 de Novembro.

Esta decisão tem em vista a autorização da utilização do glifosato na agricultura do espaço comunitário, cuja licença para a aplicação da substância termina já no final deste ano.

Anipla satisfeita

Para António Lopes Dias, director executivo da Anipla – Associação Nacional da Indústria para a Protecção das Plantas, a associação “está satisfeita com um sinal de confiança e seriedade da União Europeia, pela votação positiva na renovação da licença do glifosato”.

Para aquele responsável, “apesar de estarmos num dia em que milhares de agricultores e produtores europeus podem ver o futuro com mais confiança, a Anipla mantém alguma preocupação pelo atraso na decisão e demonstração da insegurança de alguns dos Estados-membros. Os consumidores europeus ficam a perder quando a União Europeia cede a pressão meramente política para a demora na tomada de decisões que são da ciência – uma vez que cientificamente já foi provada a não perigosidade do glifosato”.

Por outro lado, acrescenta António Lopes Dias, “mantemos a insatisfação pelo facto de não haver uma renovação por 15 anos, como acontece em todas as situações semelhantes, e voltamos a lembrar que se acaba de introduzir um precedente perigoso na avaliação europeia”.

“A posição neutra de Portugal é preocupante e injusta para com todo o sector agrícola português, porque demonstra como o nosso Governo não assume a posição que melhor defende os interesses dos seus consumidores e da sua economia”, salientou o director executivo da Anipla.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Último concerto do ano de Cuca Roseta é na Casa da Música e é solidário

A fadista Cuca Roseta juntou-se à Vida Norte e à Casa da Música, no Porto, …

Um comentário

  1. Portugal sempre na cauda da Europa..medrosos políticos que se rebaixam sempre aos lobys dos pseudo intelectuais ambientalistas que não destinguem um caracol duma lesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.