Início / Agricultura / Recorde de transacções e aquisições de empresas na agricultura em 2015

Recorde de transacções e aquisições de empresas na agricultura em 2015

Este ano marcou um recorde nas transacções e aquisições de empresas na agricultura, com a queda de preços das ‘commodities’ do sector a servir de pano de fundo a muitas mudanças e fortes investimentos. Os 410 acordos entre empresas que entraram em vigor ou foram assinados em 2015 perfazem o número mais alto dos últimos 12 anos.

A multinacional Noble, a maior empresa de ‘commodities’ na Ásia, está a terminar as negociações com potenciais compradores para a venda dos seus 49% de participação na Noble Agri Ltd., propriedtária de empresas de transformação e comercialização na América do Sul, África, Europa do leste, índia e Austrália, entre outras regiões. A Glencore anunciou planos para alienar uma fatia do seu negócio na agricultura e, finalmente, ofundo familiar Margarita Louis-Dreyfus, que controla a Louis Dreyfus Commodities BV, quer também vender uma parte da sua participação minoritária.

O total de 410 acordos vale cerca de 29 mil milhões de euros (32 mil milhões de dólares), relata a agência noticiosa Bloomberg. O recorde de actividade aumentou enquanto os preços dos materiais (produtos essenciais ou básicos, como os cereais ou a carne), com o Subíndice da Agricultura da Bloomberg de oito das colheitas básicas a cair 14% neste ano.

O prémio médio dos acordos de transacções e aquisições na agricultura aumentou para 41%, em relação aos 27% de 2014, mostram os dados da Bloomberg.

A Cofco Corp., a maior empresa no sector alimentar na China, é um dos potenciais compradores no caso da Noble Agri, segundo a agência. “Se temos mil milhões de pessoas para alimentar, faz sentido pagar o prémio para assegurar a posse de uma fonte de comida”, disse Carey Wong, analista da Oversea-Chinese Banking Corp., citada pela Bloomberg.

A Mitsubishi Corp. anunciou em Agosto a compra de uma fatia de 20% na Olam International Ltd., em dois acordos no valor de cerca de 900 milhões de euros. A Olam, uma das maiores empresas de comércio de café e arroz, vai gastar quase 1,8 mil milhões de euros em aquisições, aproveitando os preços baixos das ?commodities’ agrícolas, revelou o CEO Sunny Verghese.

Os preços em queda contínua incentivam acordos no sector, de acordo com Nobuyuki Chino, presidente da Continental Rice Corp., em Tóquio. “Os preços descendentes dos cereais trouxeram vantagens para produtores e operadores, levando algumas empresas a vender os seus secores menos rentáveis na agricultura a outros”, conclui Chino. Além disso, os grandes produtores e as empresas de compra e venda de ‘commodities’ estão a diversificar os seus ‘portfolios’ para entrar nos novos mercados mundiais e aproveitar o crescimento da procura dos consumidores de classe média nos países em desenvolvimento.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

DGAV faz formação sobre tratamento térmico de madeira de coníferas

A DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária vai realizar, para técnicos responsáveis pelo tratamento …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.