Início / Agricultura / Quercus acusa. Capoulas rejeita culpa por excesso de eucaliptos devido a lei de Cristas

Quercus acusa. Capoulas rejeita culpa por excesso de eucaliptos devido a lei de Cristas

A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza e a Acréscimo – Associação de Promoção ao Investimento Florestal emitiram hoje um comunicado (ver aqui) onde acusam o actual Governo de deixar continuar a expansão de eucalipto em Portugal. O Gabinete do Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, reagiu e diz que a legislação em vigor não é sua, mas da sua antecessora, Assunção Cristas.

“Tendo hoje [2 de Novembro] sido publicada uma posição da Quercus sobre a ‘liberalização’ da plantação de eucaliptos, pretendendo imputar ao actual Governo as consequências da legislação em vigor, aprovada em 2013 pelo Governo PSD/CDS, sendo ministra da Agricultura a Dra Assunção Cristas”, o Gabinete do Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural esclarece que “com efeito, a legislação em vigor, como se sabe, facilitou a plantação de eucaliptos. O actual Governo, no cumprimento do seu programa, revogou as normas liberalizadoras da plantação de eucaliptos, tendo para isso apresentado uma proposta de lei ao Parlamento em Abril de 2017, que veio a ser aprovada pela Assembleia da República e publicada em Diário da República a 17 de Agosto, entrando em vigor em Fevereiro de 2018 (Lei nº 77/2017)”.

O Gabinete de Capoulas Santos adianta que, assim sendo, como “facilmente se constata, não podem ser atribuídas ao actual Governo quaisquer responsabilidades pelo cumprimento de uma legislação que não aprovou e que, inclusivamente, revogou”.

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

Cotações – Azeite e Azeitona – Informação Semanal – 13 a 19 Novembro 2017

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas Azeitona de mesa Foi dada por …

Um comentário

  1. E são estes eucaliptos da revogação da lei que entrará em vigor em Fevereiro de 2018 que arderem este ano?!
    Há muito que nem a Quercus, nem muitas organizações que só vivem à custa do Zé povinho me merecem crédito ou respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *