Início / Agricultura / Produção de cereja de Resende com quebra entre 55% e 60%

Produção de cereja de Resende com quebra entre 55% e 60%

As condições climatéricas verificadas este ano, sobretudo o excesso de chuva, terão provocado uma quebra entre 55% e 60% na produção de cereja de Resende, no Norte do distrito de Viseu, disse à Lusa um produtor. “Se o tempo que está agora se mantiver, a qualidade é boa. Mas é pouca cereja, muito pouca”, lamentou o presidente da associação de promoção CER Resende – Cerejas de Resende, Rogério Silva.

Segundo o produtor, que tem cerca de 24 hectares de cerejeiras, o frio e a chuva, mas sobretudo a última, destruíram grande parte da produção.

“Podemos culpar os dois, mas a chuva é o nosso maior inimigo, quer na altura da flor, em que está a frutificar, quer na altura da apanha”, referiu à Lusa, segundo o site da Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal. “Andei a apanhar na segunda-feira e para aí 60% delas estavam rachadas”, contou.

O microclima duriense dá à cereja de Resende uma das suas principais vantagens, que é a de conseguir chegar ao mercado duas semanas antes do que a do resto do País.

“Este ano comecei agora a apanhar, está atrasada 15 dias a três semanas em relação aos outros anos”, contou. Ainda assim, o produtor considera que a cereja de Resende vai ter essa vantagem também este ano, porque “choveu em todas as regiões”.

Festival da cereja de 28 a 29 de Maio

A Câmara de Resende está a preparar para o fim-de-semana de 28 e 29 de Maio a 15.ª edição do Festival da Cereja, que reunirá mais de uma centena de produtores locais.

“Ainda temos 12 dias e em 12 dias a cereja desenvolve muito rápido se estiver quente, mas paralisa se estiver frio. Se houver chuva, isso então é que vai ser um problema”, disse Rogério Silva.

O festival apresenta este ano como novidade o concurso “Melhor doce/bolo de cereja de Resende”, que pretende incentivar a criação de uma iguaria “que identifique o concelho como produtor da melhor cereja, de forma a valorizar a cereja e promover o empreendedorismo na transformação do produto”.

A autarquia sublinha que, quando “ainda mal se ouve falar das cerejas em toda a Europa, já em Resende se pintam de vermelho os primeiros frutos que enchem os pomares de cerejeira instalados nas encostas do rio Douro”. Este concelho produz, “em média, 3.500 toneladas de cereja, representando um quarto do total da produção nacional”, acrescenta.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Ana Paula Vitorino despede-se do Ministério do Mar. Leia aqui o balanço do mandato

Ana Paula Vitorino vai ser substituída na liderança da pasta do Mar por Ricardo Serrão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.