Início / Featured / Primeira venda em lota de algas que não se destinem ao consumo humano deixa de ser obrigatória nos Açores

Primeira venda em lota de algas que não se destinem ao consumo humano deixa de ser obrigatória nos Açores

A Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia dos Açores, após audição dos parceiros do sector e da Universidade dos Açores, procedeu a uma alteração ao regulamento da apanha de espécies marinhas no mar dos Açores, publicada no dia 1 de Julho em Jornal Oficial.

Com esta alteração deixa de ser obrigatório efectuar a primeira venda em lota de algas que não se destinem ao consumo humano, sendo que, até agora, todas as algas apanhadas no arquipélago tinham de passar pela lota, à excepção da recolha de arrojos do mar, ou seja, do sargaço.

O secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia salientou a “importância” desta alteração, na medida em que passa a ser permitida a pesagem de algas em seco, o que representa uma “enorme mais valia” para os apanhadores. Segundo Fausto Brito e Abreu, a pesagem de algas molhadas na lota “revelava-se muito difícil”, acrescentando que esta medida “vem dar resposta a uma solicitação dos apanhadores de algas da Graciosa, ilha onde esta actividade está em franco desenvolvimento”.

“Os compradores deste tipo de algas preferem adquirir as algas em seco”, frisou o secretário Regional, sustentando que a obrigatoriedade da primeira venda em lota “prejudicava os apanhadores porque obtinham um rendimento inferior ao real valor das algas depois de secas”.

Fonte alternativa de rendimento

Para o titular da pasta do Mar, a apanha de algas na Graciosa, promovida pela associação de pescadores desta ilha, assume-se “como uma forma alternativa de rendimento para os profissionais” do sector, recordando que o apoio à diversificação de actividades e à promoção de novas formas de rendimento consta do Eixo IV do documento estratégico ‘Melhor Pesca, Mais Rendimento’.

A pesagem das algas em seco deve ser acompanhada por um funcionário da Lotaçor, de forma a que se mantenha o controlo das quantidades, para assegurar a sustentabilidade ambiental desta actividade, sendo que as algas destinadas a consumo humano como, por exemplo, a erva patinha, vão continuar a ser vendidas em lota, em regime de primeira venda.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Confederação dos Agricultores de Portugal contra cortes no apoio às medidas agroambientais

A CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal esteve, juntamente com outras organizações representativas do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.