Início / Agricultura / Plantas de varanda e de interior: a influência da luminosidade (Parte I)

Plantas de varanda e de interior: a influência da luminosidade (Parte I)

Artigo de opinião de Rosa Moreira, Eng.ª Agrónoma, promotora do site A Cientista Agrícola

O papel das plantas na nossa casa

As plantas criam num instante uma sensação agradável, seja na sala de estar ou na varanda, melhorando o ambiente de uma divisão da sua casa ou simplesmente fazendo com que nos sintamos melhor, num ambiente mais “clean“. Grande parte das plantas de interior pode ser mudada no Verão tornando-se plantas de  varanda ou de terraço, sendo que essa mudança poderá até ser-lhes benéfica. No Outono, no entanto, não podemos esquecer-nos de que há que trazê-las de novo as plantas para dentro de casa.

As flores são um dos elementos que deve apostar para criar um ambiente acolhedor e bonito no interior da sua casa.

Plantas de varanda: a questão do local

Para que as suas plantas se sintam bem na sua casa, é aconselhável que se dê ao trabalho de se informar antes sobre as necessidades da sua planta. A luz e a temperatura são factores decisivos, mas a humidade atmosférica e a qualidade do ar são também factores a não negligenciar quando pretende escolher as suas plantas de varanda e interior.

A maior parte das plantas de interior é originária dos trópicos e ainda que, hoje em dia, sejam formas “domesticadas”, elas continuam a preferir ambientes claros, quentes e banhados pela luz.

É sempre uma situação de stress quando a planta vai do estabelecimento controlado de horticultura e floricultura, onde cresce em condições ideais, para o parapeito da janela ou  outro local da sua casa. As plantas de varanda e interior, enfrentam muitas vezes  piores condições de luz,  frequentes oscilações de temperatura, condições de  ar seco do aquecimento ou correntes de ar comparativamente com as plantas de exterior.

Se a planta  estiver ao ar livre, é importante não só o local, mas também o clima regional. Plantas de origem trópica, como a buganvília, florescem melhor em regiões quentes, enquanto plantas de origem marítima, como os brincos-de-princesa, se desenvolvem bem em climas frescos ou amenos.

Plantas de origem trópica: Buganvília (Fonte da imagem: flickr.com)

Brincos de princesa (Fonte da imagem: follilandia-kissrain.blogspot.com)

A luz: um factor a considerar

Basta alguns conhecimentos básicos de Botânica para se saber o quão importante é haver luz em quantidade suficiente. As plantas possuem a capacidade de absorver o dióxido de carbono presente no ar e de, com a ajuda da clorofila e sob a acção da luz do Sol, transformar água e nutrientes em hidratos de carbono, a sua verdadeira fonte de alimentação. Durante este processo, denominado fotossíntese, é simultaneamente libertado oxigénio. É, portanto, compreensível que uma planta cresça melhor quanto mais luz receber.

A luminosidade é muito importante para grande parte das plantas (Fonte da imagem: Dreamstime)

No entanto, nem todas as plantas têm as mesmas exigências. As plantas que necessitam de luz não crescem bem num local demasiado escuro, formando rebentos longos, frágeis e tenros ou mal chegando mesmo a florir. Pelo contrário, as plantas apreciadoras de sombra podem murchar e até ficarem queimadas se colocadas num local soalheiro.

 

As plantas com folhas brancas ou amarelas precisam de mais luz, visto possuírem menos clorofila que as verdes. O mesmo se poderá dizer das plantas de folha vermelha, pois nestas a clorofila é substituída por um outro pigmento. A quantidade de luz, no entanto, nem sempre depende só do ponto cardeal.

As cortinas podem reduzir a intensidade da luz, os prédios vizinhos os as árvores podem fazer sombra em certos momentos do dia. Medidores de luz especiais, disponíveis no mercado em lojas de especialidade, podem determinar a intensidade de luz e indicam onde e quando a luz é mais intensa.

Plantas de varanda e interior: várias intensidades e tipos  de luz

As varandas são cada vez o local escolhido para as plantas. (Fonte da imagem: Flores – Cultura Mix)

Luz artificial

Nas épocas do ano com menos luz ou em sítios mal iluminados pode-se contar com luzes próprias para as plantas de interior, que, possuidoras de um espectro com uma grande quantidade de raios azuis, imitam a luz do Sol. Ás vezes é suficiente aproximarem-se as plantas um pouco mais da janela ou  colocá-las à janela virada a Sul.

À sombra

As plantas apreciadoras de sombra decoram locais menos claros, como, por exemplo, a janela ou a varanda viradas a Norte. Em estado natural estas plantas crescem frequentemente debaixo das árvores e são, na maioria dos casos, fáceis de manter.

Sombra parcial

Estas plantas ficam satisfeitas com algumas horas de Sol matinal ou vespertino. O melhor local para as alojar é a parte da casa virada a Leste ou a Oeste.

Claro, sem luz directa do Sol do meio-dia

O melhor local para alojar plantas com uma necessidade moderada de luz é uma parte da casa virada a Sudeste, onde as plantas poderão apreciar os  raios solares sem ficarem directamente expostas ao sol.

Sul soalheiro

O melhor local para as plantas com uma grande necessidade de luz deverá ser soalheiro e, dentro de uma divisão, deverão ficar à janela mais soalheira, isto é, mais virada a Sul. As plantas que dão flor sentem-se especialmente bem neste local. Se não houver um guarda-sol ou persiana, no entanto, o meio-dia poderá se tornar demasiado quente para algumas plantas, o que faz com que elas evaporem demasiada água e enfraqueçam. Para que o calor não se acumule atrás de uma janela, é aconselhável que esta fique um pouco aberta de modo a ficar inchada ou que se abra a ranhura de arejamento, caso haja.

Plantas de varanda ou interior: situações possíveis

Quando a planta recebe pouca luz

  • Cresce em direcção à luz, desenvolve rebentos longos e frágeis, folhas pequenas e sem cor, quase não dá flor.
  • Espécies com folhas coloridas e folhas velhas amarelecem.
  • As folhas secam e caem sobretudo em caso de temperaturas demasiado altas no Inverno).
  • Nascem poucas flores, as quais, além disso,murcham rapidamente( situação comum no caso de altas temperaturas, pouca humidade atmosférica e/ou falta de nutrientes).
  • Os botões caem(quando há falta de água ou geada).

O que fazer nestes casos:

Coloque as plantas num local mais claro ou use iluminação artificial. Adeque a temperatura e a necessidade de água e nutrientes à época do ano.

O que acontece quando as plantas recebem demasiada luz

  • As folhas de plantas mais sensíveis enpalidecem ou “queimam-se”, isto é, apresentam colorações amarelas e castanhas que mais tarde secam. Esta última característica pode ser também um sinal de adubação excessiva.
  • Os cactos ficam avermelhados( geralmente na Primavera).
  • As folhas enfraquecem, apesar de regadas em quantidade suficiente (especialmente quando o calor se acumula atrás de uma janela onde bate o Sol).

O que fazer nestes casos

Crie uma sombra para o local ou mude a planta de lugar.

Gostava de saber como a temperatura pode influenciar o crescimento e desenvolvimento das plantas? Clique aqui para saber mais num artigo sobre a matéria.

A Cientista Agrícola

loading...

Verifique também

Governo dos Açores desafia agricultores a diminuir a dependência dos apoios

O director Regional da Agricultura afirmou, na ilha Terceira, que os agricultores devem apostar, cada …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.