Início / Agricultura / Pau-de-cabinda? Compre enquanto pode. Europa proíbe a sua utilização

Pau-de-cabinda? Compre enquanto pode. Europa proíbe a sua utilização

O pau-de-cabinda, Pausinystalia yohimbe (K. Schum) Pierre ex Beille é conhecido como o Viagra dos pobres. Mas os pobres da União Europeia vão ter de procurar outras soluções para aumentar o seu desejo e performance sexual.

A Comissão Europeia acaba de colocar o pau-de-cabinda na lista dos alimentos proibidos. É assim desde 25 de Abril.

Tinha já sido pedido pela Comissão Europeia, ao Painel dos Aditivos Alimentares e Fontes Nutricionais adicionadas aos Alimentos, da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), um parecer científico sobre a avaliação da planta Pausinystalia yohimbe (K. Schum) Pierre ex Beille) de acordo com o artigo 8 do Regulamento (CE) nº 1925/2006 sobre a adição de vitaminas e minerais e outras substâncias aos alimentos.

Suplementos alimentares

Este pedido decorreu da preocupação de um dos Estados-membros sobre a possibilidade de existirem efeitos nocivos associados com a ingestão de preparações de “Yohimbe” (Pau-de-Cabinda) por exemplo em suplementos alimentares.

Em particular foi pedido à EFSA para rever os dados científicos existentes sobre a possível relação entre a ingestão desta planta e os efeitos nocivos na saúde, e para dar aconselhamento sobre o “nível de ingestão máxima tolerável” para o “Pau-de-Cabinda” para a população em geral, e para sub-grupos da população.

Na falta do “nível de ingestão máxima tolerável”, foi pedido ao Painel para aconselhar sobre a ingestão diária de “Pau de Cabinda”que não apresenta risco para a saúde humana.

Dose diária?

Em 3 de Julho de 2013, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos adoptou um parecer científico sobre a avaliação da segurança da utilização de pau-de-cabinda. Concluiu que a caracterização química e toxicológica da casca de pau-de-cabinda e suas preparações utilizadas nos alimentos com origem no pau-de–cabinda não é adequada para tirar conclusões acerca da sua segurança enquanto ingredientes em alimentos.

Assim, não foi possível à Autoridade proporcionar aconselhamento acerca de uma dose diária de casca de pau-de- cabinda e das suas preparações que não seja preocupante para a saúde humana.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Produtores de sementes para produção de rebentos têm de estar registados na DGAV. Já conhece as novas regras?

Os estabelecimentos que produzem rebentos têm de ser aprovados pela  DGAV – Direcção Geral de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.