Início / Agricultura / Multinacionais procuram Alqueva para cultura da luzerna

Multinacionais procuram Alqueva para cultura da luzerna

A Barragem de Alqueva tem área disponível e a garantia de água para a cultura de luzerna. Por isso, “alguns dos player´s mundiais da produção e comercialização de luzerna desidratada, têm olhado para o perímetro de rega de Alqueva como uma oportunidade de investimento em novas áreas de produção”, refere o Anuário Agrícola de Alqueva de 2017, já disponível online.

Empresas como a Agrolex, Almarai e a Aldahra Fagavi, oriundas de países da região do médio Oriente, “têm solicitado diversa informação sobre a região e o empreendimento de fins múltiplos de Alqueva”, acrescenta aquele documento da responsabilidade da EDIA — Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva.

Adiantam aqueles responsáveis que estão a ser realizados, na região de influência de Alqueva, estudos para a instalação de uma unidade de desidratação de forragens.

A cultura

A luzerna é uma cultura de regadio que fica no campo mais do que um ano, e é cortada para silagem ou para enfardar, entre 3 a 7 vezes por ano. É uma cultura de áreas de média/grande dimensão e conhecida dos agricultores da região de Alqueva.

Em 2017 foram inscritos cerca de 97 ha, de luzerna nos perímetros de rega de Alqueva.

Existem algumas variedades no mercado, fornecidas por diferentes casas comerciais de sementes, como exemplo a Fertiprado ou a Nutriprado.

O Anuário

A elaboração deste documento, da responsabilidade da EDIA, resulta da recolha de informação sobre as culturas, junto de especialistas, de produtores da região, informação de documentos, artigos e outra bibliografia publicada e disponibilizada pelas várias entidades do sector.

Pode consultar o Anuário Agrícola de Alqueva aqui.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

XIII Congresso da Agricultura dos Açores debate campanhas de contra-informação na pecuária

O XIII Congresso da Agricultura dos Açores, evento promovido pela Federação Agrícola dos Açores, decorrer …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.