Início / Agricultura / Morcegos vão combater pragas agrícolas sem insecticidas no Vale do Tua
morcego 01

Morcegos vão combater pragas agrícolas sem insecticidas no Vale do Tua

Os morcegos eram antigamente uma praga que desassossegava as noites de Verão. Agora são a nova arma de combate às pragas de insectos nas culturas apresentada no Vale do Tua, em Trás-os-Montes.

O mais recente projecto do Parque Natural Regional do Vale Tua está a distribuir por propriedades agrícolas dos cinco concelhos de influência, 50 abrigos para morcegos, com o propósito de criar condições para este animal se instalar, reproduzir e ajudar a combater pragas como a mosca da azeitona, borboletas e outros insectos que destroem as culturas.

Os agricultores estão a aderir ao projecto, com alguma surpresa, principalmente aqueles que, como Eduardo Cabanelas, nunca tinham olhado, nesta perspectiva, para os morcegos que antigamente irrompiam nas noites quentes de Verão passadas à porta de casa nas aldeias, refere a Lusa, citada na página de Internet da Confagri – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal.

Eduardo Caravelas é o responsável pela propriedade agrícola, em Frechas, no concelho de Mirandela, onde o projecto foi apresentado e confessou que ficou “um bocadinho surpreendido” quando soube da ideia.

“Vamos lá ver se isso aprova”, respondeu quando questionado sobre a expectativa em relação aos resultados, crente, contudo de que quem estudou o assunto “com certeza que será para fazer qualquer coisa que seja útil”.

Mais entusiasmado pareceu António Aires, do concelho de Murça, que acha “o projecto bastante interessante”. Resta-lhe apenas uma dúvida, a de se haverá morcegos em número suficiente. “Quando era jovem, lá na minha aldeia, nas noites de Verão, via muitos morcegos lá pela rua, e hoje não se encontra quase um”, observou.

O projecto abrange ainda propriedades agrícolas dos concelhos de Carrazeda de Ansiães, Vila Flor e Alijó que, juntamente com Mirandela e Murça, fazem parte do parque.

O presidente do parque, Artur Cascarejo, explicou que este projecto resulta de uma candidatura ao Fundo de Preservação da Natureza e da Biodiversidade, do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), contemplada com cerca de 200 mil euros com objectivo de utilizar a biodiversidade para ajudar a combater as pragas agrícolas e evitar o uso de pesticidas.

Pragas da vinha e olival

No caso do parque do Vale do Tua trata-se de pragas de insectos que afectam culturas como a vinha e o olival, mas também a floresta. O projecto tem a duração de três anos e uma componente prática e outra científica.

A prática é a colocação das caixas/abrigo em propriedades agrícolas e a cientifica é a investigação e estudo do projecto para avaliar os resultados em parceria com agricultores, associações agrícolas e o Centro de Investigação em Biodiversidade da Universidade do Porto.

A investigadora Vanessa Mata explicou que, pela sua capacidade de comer milhares de insectos por noite, os morcegos «são animais que conseguem ser um bom regulador de pragas» e muitas das pragas encontradas nas culturas da região são borboletas nocturnas.

Na zona do Vale do Tua existem várias espécies de morcegos que têm um problema: a falta de abrigo. Acabam por ocupar cavidades nas árvores ou construções antigas desocupadas que vão escasseando nas propriedades agrícolas, como explicou a investigadora.

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

Pavimento cortiça corticeira amorim bienal veneza

Pavimento de cortiça reforça ligação do material às artes na Bienal de Veneza

O trabalho dos arquitectos italianos Carlo Scarpa e Franco Albini é o mote da inspiração …

2 comentários

  1. Alimentam-se também da mosca da azeitona?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *