Início / Mar / Aquacultura / Madeira: Bluegrowth arranca com a primeira instalação piloto do projecto Ground Zero na produção de douradas da Marismar

Madeira: Bluegrowth arranca com a primeira instalação piloto do projecto Ground Zero na produção de douradas da Marismar

A Bluegrowth arranca com a primeira instalação piloto do projecto Ground Zero na produção de douradas da Marismar, situada no Concelho da Calheta na Ilha da Madeira. Um projecto de digitalização do sector aquícola para um desenvolvimento sustentável da aquacultura.

Trata-se de um sistema de avaliação de impactos, suportado por análises multi-dimensionais referente ao conhecimento situacional de um determinado ecossistema, preparado para mitigar os riscos e reduzir os impactos de uma actividade que, “pese embora seja vital para a Humanidade, continua a estar fortemente pressionada pelos holofotes da contestação”, refere um comunicado da Bluegrowth.

A Operação Ground Zero na Ilha da Madeira

Nas últimas semanas, a Bluegrowth moveu uma equipa de uma dezena de profissionais, composta por mergulhadores profissionais, biólogos, engenheiros e profissionais da comunicação, para levarem a cabo uma operação que compreende três distintos momentos: o primeiro momento consiste num processo de integração tecnológico que compreende a articulação de robótica subaquática, sensores, câmaras subaquáticas e mecanismos de transmissão de dados entre o mar e terra; o segundo momento compreende a criação da base do conhecimento, implicando a recolha e análise de amostras de água e de sedimentos e a captura de imagens subaquáticas ao longo da coluna de água e dos fundos; finalmente, numa terceira fase, já com todos os sistemas a operarem, os dados de monitorização serão utilizados para a construção do modelo de aprendizagem que servirá de base à operação autónoma do sistema.

As operações de implementação do sistema e de avaliação ambiental irão continuar pelos próximos meses, fornecendo à Marismar dados vitais para a melhoria contínua das suas operações. Custódia Rebocho, presidente da Bluegrowth, destaca a importância da transparência na comunicação para “eliminar o ruído” em torno da aquicultura.

“Há muito que a segurança alimentar mundial é garantida pela produção daquilo que comemos ao invés da captura. Não devemos aceitar cegamente todos os métodos de produção, porém temos de permitir que a aquicultura se desenvolva de forma sustentável e informada agora, sob pena de – a emergência de alimentar a população mundial no futuro – provocar um crescimento descontrolado, desregulado e desorganizado num futuro próximo. A necessidade de cultivar os oceanos é uma inevitabilidade para a sobrevivência da espécie humana”, diz Custódia Rebocho.

Desenvolvimento sustentável da aquicultura

O desenvolvimento sustentável da aquicultura é determinante para aliviar a pressão sobre os stocks de peixes selvagens sem comprometer a segurança alimentar. As alterações climáticas e a pressão das actividades antropogénicas sobre os mares e oceanos têm colocado em stress os ecossistemas marinhos, condenando a saúde dos mares e oceanos, o que a curto prazo terá sérios impactos na qualidade de vida da humanidade.

“A Bluegrowth reconhece os riscos e os impactos da intensificação aquícola, razão pela qual tem investido no desenvolvimento tecnológico destinado a apoiar quem investe, quem decide e quem trabalha em pisciculturas de forma responsável” afirma Custódia Rebocho, presidente da Bluegrowth.

“Foi nesse contexto que a Marismar abriu as suas portas, para que a Bluegrowth pudesse beneficiar de um contexto produtivo de qualidade, onde os avanços tecnológicos podem ser validados num contexto real bem estruturado”, acrescenta.

“O desenvolvimento sustentável da aquacultura está intrinsecamente ligado com a capacidade dos produtores em implementar processos inteligentes. A digitalização do sector aquícola é a resposta aos desafios com que o sector se depara a nível mundial. É objectivo da Bluegrowth apoiar os investidores do sector com a capacidade de resposta a estes desafios”, diz conclui Custodia Rebocho.

Ground Zero

O projecto Ground Zero contempla o desenvolvimento de uma linha de negócio assente em tecnologias de informação avançadas, destinadas a monitorizar os ecossistemas naturais e a controlar os processos produtivos em aquacultura.

O Ground Zero integra o portefólio de projectos financiados pelo Fundo Azul (Direcção Geral de Política do Mar, Ministério do Mar) e contempla a implementação de quatro unidades piloto em pisciculturas.

Este sistema compreende o uso de robótica, sensorização e sistemas de processamento de dados avançados, destinados a fornecer aos investidores em aquacultura, capacidade de suporte à decisão assente num rigoroso controlo da qualidade ambiental.

O comunicado acrescenta ainda que o controlo inteligente do processo produtivo permite que a aquicultura se desenvolva de forma ecológica, socialmente responsável, considerando a qualidade e segurança alimentar, tal como o bem-estar animal. “Este novo paradigma de produção – assente no conhecimento, inovação e tecnologia – abre, ainda, as portas para a criação de postos de trabalho altamente qualificados”.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 11 a 17 Novembro 2019

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas As cotações médias nacionais dos novilhos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.