Início / Agricultura / Indústria extractiva e transformadora aposta na reflorestação em Porto de Mós

Indústria extractiva e transformadora aposta na reflorestação em Porto de Mós

Partilhar

A Assimagra – Recursos Minerais de Portugal, assinala a conclusão da reconversão ambiental do aterro da Associação Gestora de Inertes (Gestin), no Juncal, em Porto de Mós, região de importância vital para o sector da indústria extractiva e transformadora, com a plantação de 2.020 pinheiros, um número correspondente ao ano que agora começa.

No passado dia 14 de Janeiro, a Associação marcou, no local do aterro, o momento em que este território é devolvido à natureza ao dar formalmente o sinal de partida para início a plantação naquela que antes foi uma área degradada, entretanto totalmente recuperada e que renasce agora fruto de um processo colaborativo entre a Assimagra e as empresas transformadoras de rocha ornamental da região.

O aterro, que recebeu resíduos inertes (lamas e desperdícios de pedra) provenientes das empresas de rocha ornamental associadas, constitui-se agora como um exemplo de responsabilidade social e ambiental do sector.

Área degradada que ganha nova vida

Miguel Goulão, vice-presidente da Assimagra, refere a propósito desta iniciativa que “é um gesto que procura fazer a diferença em termos ambientais, que tem por intuito dar a perceber que a forma de estar da nossa Associação e dos empresários do sector das indústrias transformadoras é de compromisso em termos de responsabilidade social nos locais em que laboram, procurando deixar uma marca positiva através da recuperação de uma área degradada que ganha nova vida com a plantação de uma zona de floresta”.

Assimagra

A Assimagra – Recursos Minerais de Portugal é uma associação portuguesa privada, sem fins lucrativos, fundada em 1964, que representa os recursos minerais de Portugal e tem orientado a sua intervenção na promoção dos recursos minerais portugueses, com vista a alargar a sua economia, reconhecimento social e cultural, fundado em princípios e valores que sempre proporcionam sustentabilidade e equilíbrio no ambiente onde estão inseridos.

Incentivar a inovação e a qualificação empresarial, apoiar os mercados externos, as políticas de planeamento e ordenamento do território, melhorar as competências e as condições de trabalho, valorizar as boas práticas profissionais, a auto-regulação no sector e a promoção nacional e internacional da pedra portuguesa são práticas e competências específicas da associação-que actualmente tem mais de 240 PME associadas-cujas competências têm sido reforçadas, ano após ano, ao longo dos seus mais de 50 anos de história.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Ponte de Lima renova cooperação com Associação Florestal do Lima com apoio de 100.500€

PartilharO Município de Ponte de Lima renovou o protocolo de cooperação com a Associação Florestal …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.