Início / Agricultura / Governo quer alargar sistema de videovigilância florestal a 100% do território nacional

Governo quer alargar sistema de videovigilância florestal a 100% do território nacional

Partilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Alargar a 100% do território nacional o sistema de videovigilância florestal é uma das apostas do Programa do XXII Governo Constitucional, o segundo liderado por António Costa.

O Governo propõe-se ainda a concretizar a Estratégia Nacional para uma Protecção Civil Preventiva, implementando um modelo de governança, gestão e avaliação do risco coordenado e multi-sectorial e a modernizar os sistemas de vigilância florestal e de recursos hídricos e os instrumentos de apoio à decisão operacional.

Por outro lado, o Executivo quer aumentar a qualificação, especialização e profissionalização dos agentes de protecção civil e consolidar o pilar da protecção civil municipal, através de plataformas locais de redução de risco de catástrofes e iniciativas e parcerias locais de base voluntária para apoio às actividades de protecção civil, reconhecendo o conhecimento e valorizando os agentes mais próximos dos cidadãos.

Reduzir os riscos de catástrofes

Explica o Programa de Governo que, em “resultado das alterações climáticas, está já a aumentar o ritmo e a severidade dos fenómenos meteorológicos extremos. Com o intensificar destes acontecimentos, em especial os incêndios florestais, os furacões, as ondas de calor ou as cheias rápidas em zonas urbanas, torna-se indiscutível a necessidade de abordagens preventivas e de resposta rápida, que contribuam para diminuir as vulnerabilidades e aumentar a resiliência aos desastres naturais, mitigando os seus danos”.

Neste âmbito, o Governo irá intervir no espaço rural mantendo a diversificação da paisagem e diminuindo a carga de combustível, aumentar a resiliência a cheias, através de bacias de retenção e de infiltração, limpeza dos leitos de água e obras hídricas para caudais extremos e aumentar o grau de preparação para as catástrofes, designadamente através de campanhas de formação e sensibilização para o risco, que difundam boas práticas (por ex., redução de ignições), ajudando a disseminar a adopção de comportamentos seguros e de auto-proteção.

O Executivo pretende ainda fomentar junto dos docentes a utilização do Referencial de Educação para o Risco (RERisco), de modo a sensibilizar a comunidade educativa para o desenvolvimento de uma cultura de prevenção, assim como reforçar os mecanismos de aviso e alerta precoce para situações de emergência.

Combate a incêndios

Por outro lado, o Governo pretende instalar pontos de abastecimento destinados ao combate a incêndios em zonas rurais, tirando proveito das infra-estruturas geridas pela Águas de Portugal, privilegiando o uso de água residual tratada como fonte hídrica alternativa.

Pode ler o Programa do XXII Governo Constitucional completo aqui.

Agricultura e Mar Actual

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Verifique também

Maria do Céu Albuquerque: “cultura do milho assume importância reconhecida pelo País e pelo Governo”

Partilhar            A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, marcou presença na sessão de encerramento do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.