Início / Agricultura / Como vai o Brexit afetar o mercado agrícola? 5 previsões

Como vai o Brexit afetar o mercado agrícola? 5 previsões

Artigo de opinião de Sara Sousa, marketeer na Agroop

O dia 30 de Março de 2019 vai trazer consigo uma grande mudança: a saída do Reino Unido da União Europeia, ou Brexit. O impacto na economia dos países da União Europeia (UE) tem sido largamente discutido.
Mas para o mercado agrícola europeu, como será? Eis cinco previsões da parte da UE e do Reino Unido.

1. Menos exportações e PIB para os países da UE…

“Todos os países UE 27 vão ser negativamente afectados pelo Brexit.” Quem o diz é o Parlamento Europeu (PE), num relatório que analisa os possíveis impactos do mesmo.

Mas são os números que impressionam: o PE prevê que as exportações de produtos agro-alimentares dos UE 27 para o Reino Unido caiam em quase 30 mil milhões de euros (62%). Os sectores mais afectados serão os alimentos processados, carne branca e lacticínios. O PIB da UE também vai cair em 0,3%.

O Reino Unido importa muitos produtos agrícolas dos países da União Europeia – especialmente queijo, carne de vaca, ovelha e porco, arroz, azeite e vinho. Além disso, é o segundo maior país dos 28 da UE e “está altamente integrado com os países UE 27 em termos de comércio e cadeias de valor,” ainda segundo o PE.

No entanto, segundo a Comissão Europeia, o Brexit será menos sentido nos sectores “onde a União Europeia é o principal produtor mundial (por exemplo azeite)” e “nos sectores onde há diferenciação de produto (por exemplo, produtos de qualidade).”

2. …e pior para o Reino Unido

Se o mercado agrícola europeu e cada país da UE vão sofrer com o Brexit, a verdade é que, de acordo com as previsões, será o Reino Unido que vai ter mais dificuldades.

“A relação entre o Reino Unido e os UE 27 é caracterizada por uma assimetria marcada. … Os UE 27 representam um grande mercado e destino para os exportadores britânicos, enquanto que o Reino Unido é, comparativamente, um mercado pequeno para os UE 27,” segundo o Parlamento Europeu.

O PE prevê que o PIB do Reino Unido caia 2,3% como resultado do Brexit e que as importações da UE de produtos agro-alimentares do Reino Unido caiam quase 17 mil milhões de euros. O aumento das exportações do Reino Unido para países terceiros e as trocas comerciais dentro da UE não serão suficientes para compensar estas perdas.

No entanto, de acordo com um relatório da Câmara dos Lordes do Parlamento britânico, a expectativa é que a posição do Reino Unido como grande importador de produtos da UE dê ao país “uma posição forte durante as negociações comerciais para este tipo de produtos com a UE e, depois do Brexit, com países terceiros.”

Os consumidores britânicos também vão sentir o efeito da saída do país da UE, já que os preços dos produtos agro-alimentares deverão aumentar em 4%.

3. Trocas comerciais mais burocráticas

Para o Parlamento britânico, “preservar o comércio livre de barreiras tarifárias e não tarifárias com a UE deve ser uma prioridade,” já que “a UE é o maior mercado para os produtos agrícolas e alimentares do Reino Unido.”

Se, como consequência do Brexit, surgirem barreiras às exportações para a UE, “muitos dos nossos produtores e fabricantes alimentares incorreriam em custos substanciais,” lê-se no relatório da Câmara dos Lordes.

Estas preocupações existem em relação a todos os sectores, mas na agricultura são mais fortes, já que “os atrasos em procedimentos de alfândega” seriam muito graves para produtos tão perecíveis como são os agro-alimentares.

Também há preocupações a nível dos regulamentos sobre padrões de qualidade dos alimentos. “Se os quadros regulamentais do Reino Unido e da UE começarem a diferir a seguir ao Brexit, há um grande risco de barreiras comerciais para os produtores,” o que levaria a trocas comerciais mais custosas e lentas.

4. Irlanda será especialmente afectada

Nem todos os países da UE vão sofrer de forma igual com o Brexit. Quanto mais próximos estão do Reino Unido, mais sentirão os seus efeitos.

A Irlanda irá, assim, ser o país – além do próprio Reino Unido – que mais vai sentir os impactos negativos do Brexit.

Prevê-se que o PIB deste país caia 3,4% – mais de 55 mil milhões de euros. O sector das carnes é particularmente vulnerável, já que a Irlanda exporta mais de 50% da sua carne de vaca e de porco para o Reino Unido.

5. Europeus terão mais dificuldade em trabalhar no sector agrícola britânico

O Reino Unido é dependente de trabalhadores sazonais e permanentes, qualificados e não qualificados, do resto da UE. “Sem acesso a essa fonte de mão-de-obra, toda a cadeia de fornecimento de alimentos será adversamente afectada,” defende o Parlamento Britânico.

Se não forem asseguradas medidas para garantir que estes trabalhadores continuam a poder trabalhar no Reino Unido, “a indústria agro-alimentar irá sofrer uma disrupção muito grande.”

Desde o referendo que decidiu o Brexit, os agricultores britânicos têm vindo a reportar a redução do número de trabalhadores da UE a entrar no sector, reporta a BBC.

O panorama não é positivo. Mas a Comissão Europeia lembra: “uma saída ordeira do Reino Unido incluiria um período de transição até ao fim de 2020, o que limitaria o impacto no mercado a termo curto.”

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

Terminal de Contentores de Sines supera recorde de 2017

O Terminal de Contentores de Sines – Terminal XXI movimentou, até ao dia 12 de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.