Início / Agricultura / Cientistas fazem descoberta que pode reduzir número de acidentes com tractores

Cientistas fazem descoberta que pode reduzir número de acidentes com tractores

Artigo de opinião de Sara Sousa, marketeer na Agroop

Entre 2013 e 2017, foram 358 os agricultores que morreram em acidentes com tractores em Portugal continental, de acordo com dados da GNR reportados pela Rádio Renascença. Mas este problema não é apenas nacional: acidentes com tractores são a principal causa de morte de agricultores à volta do mundo.

Agora, um novo estudo de cientistas japoneses acredita ter feito uma descoberta que pode contribuir para reduzir o número de mortes e acidentes com capotagens de tractores.

Os investigadores procuraram entender o que leva um tractor a capotar. Assim, criaram um modelo com base em simulações em computador e simulações baseadas em acidentes reais com tractores no Japão. O que concluíram foi que o que está frequentemente por detrás das capotagens de tractores é um movimento de salto, como o de uma bola, que se verifica logo antes de o tractor virar. Este tipo de acidente ocorre sobretudo quando o tractor passa por um declive íngreme.

Este movimento de salto que precede a capotagem não é actualmente levado em conta na construção da maioria dos modelos de tractores, dizem os autores. “Como a maioria dos tractores agrícolas não tem sistemas de suspensão, podem ocorrer vibrações violentas no tractor e as rodas por vezes saem do chão naquilo que é um fenómeno de ressalto,” disse Kenshi Sakai, um dos investigadores.

“O nosso modelo proposto poderá ser um novo paradigma na construção de tractores agrícolas,” concluiu o cientista.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Regiões Ultra-periféricas reforçam apoios junto do Parlamento Europeu

O secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas dos Açores manifestou hoje, 19 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.