Início / Agricultura / CCV Floresta tem proposta no Orçamento Participativo para produzir produtos alimentares silvestres

CCV Floresta tem proposta no Orçamento Participativo para produzir produtos alimentares silvestres

A proposta “Plataforma Horta da Terra e Longevidade”, elaborada pelo Centro Ciência Viva da Floresta, está entre as 600 submetidas ao Orçamento Participativo de Portugal (OPP) e encontra-se para votação até dia 10 de Setembro, mês em que serão apresentados os projectos vencedores que constarão do próximo Orçamento do Estado.

Com um orçamento de 30.360 euros, o projecto pretende ser um trabalho inter-geracional e surgiu numa sessão da Universidade Sénior de Proença-a-Nova, tendo como princípio melhorar a vida dos cidadãos da região de Proença-a-Nova, mas com a possibilidade de se alargar a todo o País.

Esta ideia baseia-se em como seleccionar, produzir ou comprar, produtos alimentares silvestres e cultivados da época, oriundos da região, de preferência de produção biológica, para confeccionar refeições equilibradas do ponto de vista nutricional, das necessidades individuais (idade, limitações dietéticas) e possíveis iterações medicamentosas. “O resultado possibilitará a identificação de um conjunto de informações associadas à biologia dos alimentos, nutricêutica, gastronomia, assim como comportamentos de segurança na produção e alimentação, no contexto de alimentação saudável e envelhecimento activo”, explica fonte da Câmara Municipal de Proença-a-Nova.

Reunir produtores locais

Além disso, adianta a mesma fonte, este projecto permitirá a elaboração de uma lista de produtores e comerciantes de produtos locais, o uso de plantas do campo e da floresta na alimentação e a protecção da natureza. De acordo com a proposta do CCV da Floresta, posteriormente estas informações serão divulgadas e promovidas através de vários meios tais como, actividades na horta, sessões de esclarecimento com especialistas (investigadores em biomedicina, nutricionistas, jardinagem, entre outros) criação de uma plataforma digital, outras tecnologias de informação e comunicação, guias e ou pequenos manuais, agendas municipais, postos de turismo, entre outros.

A proposta conta com a colaboração de várias entidades parceiras ligadas às áreas da ciência, saúde, tecnologias de informação e comunicação (Centro de Neuro Ciências e Biologia Celular, Instituto Politécnico de Castelo Branco, CCV da Floresta, Município de Proença-a-Nova, IPSS locais, Centros de Saúde, e outras que venham a aderir ao projecto) na dinamização das iniciativas e na supervisão científica e técnica.

A votação está acessível a qualquer português ou cidadão estrangeiro a residir em Portugal e pode ser feita aqui.

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

APOGER diz que guia electrónica de acompanhamento de resíduos é “abusiva”

  A APOGER — Associação Portuguesa de Operadores de Gestão de Resíduos e Recicladores, opõe-se …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *