Florestal – AGRICULTURA E MAR ACTUAL http://agriculturaemar.com Portal do mundo rural e da economia do mar Mon, 17 Feb 2020 10:40:26 +0000 pt-PT hourly 1 https://wordpress.org/?v=5.3.2 Navigator apresenta marca de papel Discovery mais ecológica e eficiente http://agriculturaemar.com/navigator-apresenta-marca-de-papel-discovery-mais-ecologica-e-eficiente/ http://agriculturaemar.com/navigator-apresenta-marca-de-papel-discovery-mais-ecologica-e-eficiente/#respond Mon, 17 Feb 2020 10:08:33 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47882 A The Navigator Company acaba de lançar um novo rebranding no papel de escritório Discovery, marca líder na Europa na sua categoria de produto que apresenta agora um desempenho mais eficiente, mais sustentável e mais amigo do ambiente.   A marca Discovery, cuja comunicação está focada na sustentabilidade, oferece um papel mais leve, dada a …

O post Navigator apresenta marca de papel Discovery mais ecológica e eficiente aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
A The Navigator Company acaba de lançar um novo rebranding no papel de escritório Discovery, marca líder na Europa na sua categoria de produto que apresenta agora um desempenho mais eficiente, mais sustentável e mais amigo do ambiente.

 

A marca Discovery, cuja comunicação está focada na sustentabilidade, oferece um papel mais leve, dada a sua baixa gramagem, e apresenta uma boa espessura e rigidez, graças às propriedades das fibras que utiliza na sua composição. Especialmente destinado para a impressão de alto volume, o papel Discovery apresenta uma excelente performance com poupanças garantidas e eco-eficiência.

Relançamento da marca

Para o relançamento da marca tudo foi pensado ao pormenor, desde o logótipo, a embalagem, assim como os novos argumentos em matéria de sustentabilidade. A nova gama Discovery é produzida a partir de fibras de Eucalyptus globulus que, enquanto matéria-prima, tem grandes vantagens sobre outras espécies – maior rendimento na produção de celulose, menor utilização de produtos químicos nos processos de cozimento e branqueamento e a obtenção de uma pasta de melhor qualidade para muitas utilizações.

Ao ser produzida pela The Navigator Company, a primeira empresa portuguesa e uma das primeiras a nível mundial que assumiu formalmente o compromisso de atingir a neutralidade carbónica em 2035, antecipando em 15 anos as metas estabelecidas pela União Europeia e por Portugal, a marca Discovery vem contribuir também, com o seu novo posicionamento mais sustentável e eficiente, para o cumprimento dessa meta: uma resma de papel da gama compensa, por exemplo, o CO2 emitido por um carro a gasóleo que percorra até 34 Km.

A produção de pasta e papel por parte da The Navigator Company é feita através da utilização de florestas que são plantadas exclusivamente para esse efeito.

Agricultura e Mar Actual

O post Navigator apresenta marca de papel Discovery mais ecológica e eficiente aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/navigator-apresenta-marca-de-papel-discovery-mais-ecologica-e-eficiente/feed/ 0
Floresta. Porquê Certificar? The Navigator explica as vantagens http://agriculturaemar.com/floresta-porque-certificar-the-navigator-explica-as-vantagens/ http://agriculturaemar.com/floresta-porque-certificar-the-navigator-explica-as-vantagens/#respond Sun, 16 Feb 2020 16:00:55 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47865 A sustentabilidade ambiental, a luta pelo uso de recursos certificados,…etc.. Para quem é produtor florestal, vale a pena pensar em todas estas preocupações e certificar a sua floresta? A The Navigator Company diz que sim. E o agriculturaemar.com aqui transcreve o que dizem os responsáveis pela Navigator. Porquê Certificar? A certificação, seja FSC ou PEFC, …

O post Floresta. Porquê Certificar? The Navigator explica as vantagens aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
A sustentabilidade ambiental, a luta pelo uso de recursos certificados,…etc.. Para quem é produtor florestal, vale a pena pensar em todas estas preocupações e certificar a sua floresta? A The Navigator Company diz que sim.

E o agriculturaemar.com aqui transcreve o que dizem os responsáveis pela Navigator.

Porquê Certificar?

A certificação, seja FSC ou PEFC, surge em resposta a preocupações relativas à forma como as florestas mundiais são geridas.

Através da certificação garante-se que a madeira provém de florestas geridas de forma ecologicamente adequada, socialmente justa e economicamente viável, e sempre no cumprimento das leis vigentes.

A certificação atesta, assim, a gestão sustentável dos espaços florestais e é concedida por entidades independentes.

A certificação pode ser obtida de forma individual ou em modelos de grupo ou regionais mais adequados, permitindo assim um mais fácil acesso a proprietários de menor dimensão.

As vantagens da Certificação:

  • Mais rentabilidade

A sua produção terá um valor acrescido, já que há vários anos que a The Navigator Company paga um preço mais elevado pela madeira certificada. Pode beneficiar de condições ainda mais vantajosas na venda da sua madeira.

  • Mais gestão florestal

A Certificação é um meio de assegurar a aplicação das melhores práticas silvícolas, garantindo assim a conformidade das plantações e terrenos com os normativos legais e ambientais em vigor.

  • Mais simplicidade

A adesão à Certificação é simples. Para os proprietários de menor dimensão, há a possibilidade de soluções de certificação em grupo.

  • Mais sustentabilidade

As florestas certificadas são territórios onde a aplicação de boas práticas silvícolas e de respeito pelo meio ambiente evitam a degradação e erosão do solo, dão abrigo à vida selvagem e desempenham um papel fundamental no sequestro de carbono.

  • Menos riscos

As florestas bem geridas têm menos riscos de incêndios e pragas. Nas áreas com gestão florestal profissional, os incêndios são menos frequentes e as suas consequências menores.

Parceiro no processo de certificação

A The Navigator Company tem uma equipa dedicada e especializada que oferece um acompanhamento profissional e de excelência ao longo do processo de Certificação Florestal.

Além de o acompanhar no processo, em parceria com os grupos de certificação, a The Navigator Company garante-lhe aconselhamento técnico especializado para extrair mais valor da sua floresta ao longo do ciclo produtivo.

Como certificar?

Basta fazer uma chamada telefónica para iniciar a candidatura e ter assistência ao longo do processo.

Depois são 3 passos:

  • Escolha o Grupo de Certificação.
  • Apresente os documentos de posse da terra.
  • O Grupo de Certificação faz a vistoria à propriedade e processa a adesão.

A partir daqui, passa a ter acompanhamento técnico e tem Certificação Florestal.

Adira à Certificação Florestal

Com a ajuda da The Navigator Company pode aderir à Certificação Florestal através do telefone 308 805 980 ou envie um email para: certificacao@produtoresflorestais.pt.

Agricultura e Mar Actual

O post Floresta. Porquê Certificar? The Navigator explica as vantagens aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/floresta-porque-certificar-the-navigator-explica-as-vantagens/feed/ 0
Ponte de Lima renova cooperação com Associação Florestal do Lima com apoio de 100.500€ http://agriculturaemar.com/ponte-de-lima-renova-cooperacao-com-associacao-florestal-do-lima-com-apoio-de-100-500e/ http://agriculturaemar.com/ponte-de-lima-renova-cooperacao-com-associacao-florestal-do-lima-com-apoio-de-100-500e/#respond Fri, 14 Feb 2020 18:00:14 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47833 O Município de Ponte de Lima renovou o protocolo de cooperação com a Associação Florestal do Lima, com as equipas dos Sapadores Florestais SF 04-111, SF 16-111 e SF 18-111, atribuindo uma verba no valor total de 100.500 euros, sendo 33.500 euros para cada uma das equipas de Sapadores Florestais. Atendendo à necessidade em apostar …

O post Ponte de Lima renova cooperação com Associação Florestal do Lima com apoio de 100.500€ aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
O Município de Ponte de Lima renovou o protocolo de cooperação com a Associação Florestal do Lima, com as equipas dos Sapadores Florestais SF 04-111, SF 16-111 e SF 18-111, atribuindo uma verba no valor total de 100.500 euros, sendo 33.500 euros para cada uma das equipas de Sapadores Florestais.

Atendendo à necessidade em apostar na prevenção e protecção das áreas florestais, a Câmara Municipal de Ponte de Lima apoia financeiramente a actividade destas equipas, que exercem funções de prevenção de incêndios florestais, através de acções de silvicultura preventiva, de vigilância, apoio ao combate a incêndios florestais e às subsequentes operações de rescaldo, e sensibilização da população. A cada equipa está atribuída uma área geográfica.

Distribuição geográfica

Assim, a equipa SF 04-111 é responsável pelas freguesias de Arcozelo, Ardegão, Freixo e Mato, Bertiandos, União de Freguesias de Cabaços e Fojo Lobal, União de Freguesias de Cabração e Moreira do Lima, Correlhã, Estorãos, Facha, Feitosa, Fontão, Friastelas, Arca e Ponte de Lima, Poiares, Rebordões Santa Maria, Sá, Santa Comba, S. Pedro D´Arcos, Vitorino das Donas, União de Freguesias de Navió e Vitorino dos Piães e Seara.

Quanto à equipa SF 16-111, atua nas freguesias de Bárrio e Cepões, Brandara, Calheiros, Labruja, União de Freguesias de Labrujó, Rendufe e Vilar do Monte e Refoios do Lima.

Por sua vez, a equipa de Sapadores Florestais SF18-111 tem como área de intervenção as freguesias de Arca e Ponte de Lima, Ribeira, Gemieira, Gandra, Santa Cruz, Beiral do Lima, Boalhosa, Gondufe, Serdedelo, Fornelos e Queijada, Rebordões Souto, Anais, Calvelo, Ardegão, Freixo e Mato e Associação das Freguesias do Vale do Neiva.

Parceria de vários anos

O presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Victor Mendes, considerou que a celebração deste protocolo é o “corolário de uma parceria que se tem renovado ao longo dos anos, porque percebemos desde a primeira hora, o papel fundamental na valorização e preservação no ordenamento florestal do nosso território”.

O mesmo agradeceu todo o trabalho desenvolvido pela Associação Florestal do Lima, referindo o seu papel fundamental “na criação de projectos piloto, dos quais é exemplo a construção de zonas de intervenção florestal”.

Por sua vez, o presidente da Associação Florestal do Lima, José Carlos Ribas Gonçalves, agradeceu à Câmara Municipal de Ponte de Lima “pela transparência no presente acordo e pelo empenho e dedicação e pelas instalações disponibilizadas”, afirmando que a Câmara Municipal se demonstrou sempre disponível.

Incêndios florestais

No período crítico dos incêndios florestais actuam nas acções de primeira intervenção, no rescaldo e na vigilância após o incêndio e efectivam o apoio ao combate como elementos de reconhecimento e orientação no terreno, junto das unidade de bombeiros empenhadas no teatro das operações.

Nas acções de vigilância, reforçam nos períodos de maior probabilidade de ocorrência de incêndios. Ao longo do ano participam em campanhas de sensibilização demonstrando as boas práticas na utilização do fogo.

Agricultura e Mar Actual

O post Ponte de Lima renova cooperação com Associação Florestal do Lima com apoio de 100.500€ aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/ponte-de-lima-renova-cooperacao-com-associacao-florestal-do-lima-com-apoio-de-100-500e/feed/ 0
Xylella fastidiosa. Um ano após a detecção Portugal tem 60 zonas infectadas http://agriculturaemar.com/xylella-fastidiosa-um-ano-apos-a-deteccao-portugal-tem-60-zonas-infectadas/ http://agriculturaemar.com/xylella-fastidiosa-um-ano-apos-a-deteccao-portugal-tem-60-zonas-infectadas/#respond Fri, 14 Feb 2020 16:54:11 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47879 A Xylella fastidiosa foi detectada pela primeira vez no território nacional a 3 de Janeiro de 2019 em Vila Nova de Gaia, em plantas ornamentais, como a lavanda. Existem actualmente 60 zonas infectadas (ZI) onde foram recolhidas 3.535 amostras e já destruídas 11.130 plantas das diferentes espécies hospedeiras da bactéria. Em causa uma bactéria que …

O post Xylella fastidiosa. Um ano após a detecção Portugal tem 60 zonas infectadas aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
A Xylella fastidiosa foi detectada pela primeira vez no território nacional a 3 de Janeiro de 2019 em Vila Nova de Gaia, em plantas ornamentais, como a lavanda. Existem actualmente 60 zonas infectadas (ZI) onde foram recolhidas 3.535 amostras e já destruídas 11.130 plantas das diferentes espécies hospedeiras da bactéria.

Em causa uma bactéria que pode estar associada a 58 espécies/géneros de plantas, entre eles, a amendoeira, a cerejeira, a ameixeira, a oliveira, o sobreiro, a figueira, bem como plantas ornamentais e da flora espontânea.

O ponto de situação na zona demarcada de Xylella fastidiosa, um ano após a detecção do organismo em Portugal, foi realizado no passado dia 6 de Fevereiro, nas instalações da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAP Norte), no Porto. Segundo fonte institucional do ICNF — Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, tratou-se de uma reunião de balanço relativa à implementação das acções e medidas de protecção fitossanitária na zona demarcada (ZD) de Xylella fastidiosa, estabelecida na sequência da detecção desta bactéria em Portugal.

Estiveram presentes a Adjunta do Secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Susana Pombo, a Directora Regional da DRAP Norte, Carla Alves, a sub-directora-geral da DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária, Ana Paula Carvalho, bem como outras entidades envolvidas nas acções de prospecção, controlo e erradicação deste organismo de quarentena, nomeadamente o ICNF, a DRAP Norte, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAP Centro), os vários municípios, agora abrangidos pela área demarcada e a PSP, GNR e ASAE — Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, também envolvidas nas acções de fiscalização.

Plano de situação

Esta reunião realizou-se na sequência das anteriores e coordenadas pela DGAV, enquanto autoridade fitossanitária nacional, sendo de relevar os seguintes pontos da ordem de trabalhos: actualização da informação respeitante à evolução da Zona Demarcada (ZD); apresentação do ponto de situação das prospecções e destruições realizadas pelas várias entidades; sensibilização para a intensificação do controlo do movimento de plantas para fora da ZD; e definição de mecanismos expeditos de notificação para a realização de cortes nas zonas infectadas.

60 zonas infectadas

Existem actualmente 60 zonas infectadas (ZI) onde foram recolhidas 3.535 amostras e já destruídas 11.130 plantas das diferentes espécies hospedeiras da bactéria.

Das acções realizadas em 2019 referentes à prospecção efectuada pelas várias entidades referiu-se também, a prospecção de 2.558 quadrículas da zona tampão 1 (ZT1), 217 quadrículas da zona tampão 2 (ZT2) e recolhidas 2 961 amostras, numa área territorial que abrange cerca de 66 mil ha.

ICNF em acção

No que diz respeito à actuação do ICNF, foi realizada a prospecção em 39 ZI (344 ha) nas quais foram recolhidas 980 amostras, prospectadas 2405 quadrículas da ZT1, 125 quadrículas da ZT2 e recolhidas 1 409 amostras, representando uma área territorial de intervenção que ocupa cerca de 27.500 ha atingindo-se uma taxa de execução de 100% (ZI), 98% (ZT1) e 99% (ZT2), dados à data de 31 de Dezembro de 2019.

O trabalho desenvolvido por equipas de vigilantes da natureza da DRCNF Norte, envolveu 8 equipas distintas, num total de 3.759 horas e cerca de 50.000Km percorridos, destinados à prospecção deste organismo, no decorrer do ano 2019.

Ver também:

ISQ promove agricultura inteligente através do uso de satélites na luta contra a Xyllela fastidiosa

Comissão publica lista de 20 pragas de combate prioritário. Xylella fastidiosa é a que tem maior impacto na agricultura

CDS quer actualização do Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa

Alerta – Doença Grave das Plantas – Xylella fastidiosa. Gaia distribui informação à população

Xylella fastidiosa: Veja aqui os requisitos técnicos para produção e comercialização de plantas hospedeiras

O post Xylella fastidiosa. Um ano após a detecção Portugal tem 60 zonas infectadas aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/xylella-fastidiosa-um-ano-apos-a-deteccao-portugal-tem-60-zonas-infectadas/feed/ 0
FSC promove incentivos para a valorização dos serviços dos ecossistemas http://agriculturaemar.com/fsc-promove-incentivos-para-a-valorizacao-dos-servicos-dos-ecossistemas/ http://agriculturaemar.com/fsc-promove-incentivos-para-a-valorizacao-dos-servicos-dos-ecossistemas/#respond Fri, 14 Feb 2020 13:55:12 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47816 O FSC desenvolveu novas ferramentas que permitem aferir a preservação dos benefícios naturais, incentivando e recompensando os gestores florestais que promovem uma gestão florestal responsável. O Procedimento dos Serviços dos Ecossistemas do FSC, é assim um modelo de incentivo económico adicional para gestores florestais certificados, e uma forma concreta e reconhecida para a protecção e …

O post FSC promove incentivos para a valorização dos serviços dos ecossistemas aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
O FSC desenvolveu novas ferramentas que permitem aferir a preservação dos benefícios naturais, incentivando e recompensando os gestores florestais que promovem uma gestão florestal responsável.

O Procedimento dos Serviços dos Ecossistemas do FSC, é assim um modelo de incentivo económico adicional para gestores florestais certificados, e uma forma concreta e reconhecida para a protecção e o restauro de serviços de ecossistema florestais.

O Forest Stewardship Council (FSC) ajuda a cuidar das florestas do Mundo há mais de duas décadas, garantindo que as florestas são geridas de forma responsável. Para além dos seus bens e produtos, a floresta providencia muitos outros benefícios. Os serviços dos ecossistemas reflectem o verdadeiro valor da floresta, e estão associados à conservação da biodiversidade, sequestro e armazenamento de carbono, conservação do solo, qualidade dos recursos hídricos e serviços de recreio e lazer, refere um comunicado da organização .

Os serviços dos ecossistemas são assim um dos verdadeiros aliados quando realizamos a nossa vulnerabilidade aos efeitos das alterações climáticas.

Garantir a sustentabilidade

“As empresas enfrentam crescente pressão para garantir a sustentabilidade dos seus abastecimentos e operações, e precisam de ferramentas para poder comunicar como suportam impactos positivos, dando cumprimentos aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

“Na verdade, todos nós, também enquanto indivíduos e/ou sociedade, usamos e dependemos dos serviços dos ecossistemas, pelo que se torna fundamental a criação de novos incentivos para que os proprietários florestais protejam estes bens valiosos, para benefício de todos”, realça o mesmo comunicado.

Novas ferramentas

Reconhecendo a importância de valorizar os Serviços dos Ecossistemas, e com base numa certificação reconhecida internacionalmente, o FSC desenvolveu novas ferramentas que permitem aferir a preservação dos benefícios naturais, incentivando e recompensando os gestores florestais que promovem uma gestão florestal responsável.

O Procedimento dos Serviços dos Ecossistemas do FSC, é assim um modelo de incentivo económico adicional para gestores florestais certificados, e uma forma concreta e reconhecida para a protecção e o restauro de serviços de ecossistema florestais.

Como funciona?

  • Quantificar: com esta metodologia, os gestores florestais certificados pelo FSC podem demonstrar os impactos positivos das suas actividades de gestão florestal nos serviços ecossistémicos;
  • Transparência: os impactos são verificados por auditores externos e é elaborado um relatório de auditoria;
  • Alegações: Governos, Investidores e Empresas, poderão ter a garantia de que os projectos que apoiam estão a contribuir para a preservação dos serviços dos ecossistemas e fazer alegações sobre esses impactos verificados;
  • Agregar valor: vendedores e compradores de activos ambientais (por exemplo, créditos de carbono) de florestas certificadas pelo FSC, poderão aumentar o valor desses activos adicionando informações sobre os impactos nos restantes serviços do ecossistema.

O Procedimento dos Serviços dos Ecossistemas do FSC, fornece assim dados reais, auditados e geo-referenciados, sobre o impacto dos investimentos realizados em projectos desta natureza.

Áreas identificadas

O FSC Portugal, em colaboração com os Titulares de Certificado a nível nacional, dispõe já de algumas áreas identificadas, onde foi aferido o potencial para a verificação do impacto da gestão florestal ao nível da conservação da biodiversidade, sequestro e armazenamento de carbono, conservação do solo, qualidade dos recursos hídricos e serviços de recreio e lazer.

Tem áreas florestais certificadas pelo FSC que contribuem activamente para a protecção e o restauro de serviços de ecossistema florestais?

Quer apoiar projectos que ajudam a criar impactos positivos sobre os Serviços dos Ecossistemas? Saiba mais aqui.

Agricultura e Mar Actual

O post FSC promove incentivos para a valorização dos serviços dos ecossistemas aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/fsc-promove-incentivos-para-a-valorizacao-dos-servicos-dos-ecossistemas/feed/ 0
CDS questiona Governo sobre direitos dos proprietários no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais http://agriculturaemar.com/cds-questiona-governo-sobre-direitos-dos-proprietarios-no-plano-nacional-de-gestao-integrada-de-fogos-rurais/ http://agriculturaemar.com/cds-questiona-governo-sobre-direitos-dos-proprietarios-no-plano-nacional-de-gestao-integrada-de-fogos-rurais/#respond Fri, 14 Feb 2020 10:00:10 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47827 O deputado do CDS João Gonçalves Pereira, numa pergunta dirigida ao ministro do Ambiente e Acção Climática, Matos Fernandes, questiona onde ficam os direitos dos proprietários no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais. “Se a floresta contribui para o objectivo de Portugal ser neutro em carbono em 2050, se isso se reflecte em …

O post CDS questiona Governo sobre direitos dos proprietários no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
O deputado do CDS João Gonçalves Pereira, numa pergunta dirigida ao ministro do Ambiente e Acção Climática, Matos Fernandes, questiona onde ficam os direitos dos proprietários no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais.

“Se a floresta contribui para o objectivo de Portugal ser neutro em carbono em 2050, se isso se reflecte em vantagens para o País como um todo, se a floresta em Portugal é maioritariamente privada (90%), caso único na UE, se são impostas aos proprietários obrigações claras de gestão da sua floresta: então onde estão os direitos dos proprietários?, e como está o Governo a pensar remunerar o carbono retido na floresta que é um serviço que os privados (proprietários florestais) prestam à sociedade e ao Estado?”, questiona o deputado do CDS.

Fundo Ambiental

E “se o Governo já anunciou 20 novos ‘projectos’ de pagamento de serviços de ecossistemas para os próximos 10 anos, porque não pode o Fundo Ambiental pagar este serviço a todos os proprietários?”, questiona também.

João Gonçalves Pereira quer ainda saber “que área está prevista ser intervencionada por estes 20 projectos nos próximos 10 anos”, acrescentando “e no resto do território? Os proprietários florestais ficam só com as obrigações e sem direitos nenhuns?”.

Com o título “Incêndios: Governo prevê “arrendamento forçado das terras” caso proprietários não colaborem”, a agência Lusa divulgou esta semana que “os incêndios que ultrapassem a dimensão de 500 hectares vão resultar num plano de recuperação das áreas ardidas, prevendo-se que o Estado proceda ao “arrendamento forçado das terras” caso os proprietários não colaborem […]”.

De acordo com declarações do ministro do Ambiente a Acção Climática feitas durante a audição no Parlamento, sobre o Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais (PNGIFR), “será realizado um plano de recuperação e, caso os proprietários não queiram ou não o possam executar, o Estado, através da administração central ou local, procederá ao arrendamento coercivo das terras”.

“O Governo pretende assim, alegadamente, a valorização dos espaços rurais e reconstrução da paisagem em mosaico, a recuperação das áreas ardidas e reconversão de 20% da paisagem rural (cerca de 1,2 milhões de hectares), com o envolvimento dos proprietários e associações”, refere um comunicado do CDS.

E acrescenta que Matos Fernandes afirmou também que o PNGIFR “dá uma resposta concreta ao objectivo de Portugal ser neutro em emissões carbónicas, em 2050, o que implica o aumento da capacidade de sequestro de carbono, que, entre outras condições, depende da redução para metade da área ardida em fogos rurais, em particular dos “incêndios rurais graves””.

Agricultura e Mar Actual

O post CDS questiona Governo sobre direitos dos proprietários no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/cds-questiona-governo-sobre-direitos-dos-proprietarios-no-plano-nacional-de-gestao-integrada-de-fogos-rurais/feed/ 0
Comissão Europeia insta Roménia a pôr termo a exploração madeireira ilegal http://agriculturaemar.com/comissao-europeia-insta-romenia-a-por-termo-a-exploracao-madeireira-ilegal/ http://agriculturaemar.com/comissao-europeia-insta-romenia-a-por-termo-a-exploracao-madeireira-ilegal/#respond Wed, 12 Feb 2020 20:00:52 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47778 A Comissão Europeia insta a Roménia a aplicar devidamente o Regulamento da UE sobre a madeira (RUEM), que impede as empresas madeireiras de produzir e colocar no mercado da UE produtos fabricados a partir de toros extraídos ilegalmente. No caso da Roménia, as “autoridades nacionais não têm conseguido controlar eficazmente os operadores e aplicar sanções …

O post Comissão Europeia insta Roménia a pôr termo a exploração madeireira ilegal aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
A Comissão Europeia insta a Roménia a aplicar devidamente o Regulamento da UE sobre a madeira (RUEM), que impede as empresas madeireiras de produzir e colocar no mercado da UE produtos fabricados a partir de toros extraídos ilegalmente.

No caso da Roménia, as “autoridades nacionais não têm conseguido controlar eficazmente os operadores e aplicar sanções adequadas. As incoerências na legislação nacional não permitem que as autoridades romenas controlem grandes quantidades de madeira extraída ilegalmente”,diz um comunicado da Comissão Europeia.

Além disso, a Comissão concluiu que as autoridades romenas gerem as florestas, nomeadamente autorizando a exploração madeireira, sem avaliar previamente os impactos nos habitats protegidos, como é exigido ao abrigo da Directiva Habitats e das directivas relativas à avaliação ambiental estratégica.

Informações ambientais

Por outro lado, diz a Comissão que existem deficiências no acesso do público às informações ambientais constantes dos planos de gestão florestal.

A Comissão constatou igualmente a perda de habitats florestais protegidos em sítios protegidos da rede Natura 2000, em violação das Directivas Habitats e Aves.

Por conseguinte, a Comissão decidiu hoje, 12 de Fevereiro, enviar uma carta de notificação para cumprir à Roménia, dando-lhe o prazo de um mês para tomar as medidas necessárias com vista a corrigir as deficiências identificadas pela Comissão. Caso contrário, a Comissão pode decidir emitir um parecer fundamentado dirigido às autoridades romenas.

Agricultura e Mar Actual

O post Comissão Europeia insta Roménia a pôr termo a exploração madeireira ilegal aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/comissao-europeia-insta-romenia-a-por-termo-a-exploracao-madeireira-ilegal/feed/ 0
Ministra da Agricultura destaca contributo da agricultura no Plano de Gestão Integrada http://agriculturaemar.com/ministra-da-agricultura-destaca-contributo-da-agricultura-no-plano-de-gestao-integrada/ http://agriculturaemar.com/ministra-da-agricultura-destaca-contributo-da-agricultura-no-plano-de-gestao-integrada/#respond Wed, 12 Feb 2020 12:00:26 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47764 A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, defendeu ontem, 11 de Fevereiro, o contributo do sector no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais, com a aposta nos diferentes tipos de agricultura e de agricultores, melhorando a posição destes na cadeia de valor. “Certos do contributo do sector da agricultura neste desafio, não …

O post Ministra da Agricultura destaca contributo da agricultura no Plano de Gestão Integrada aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
A ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, defendeu ontem, 11 de Fevereiro, o contributo do sector no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais, com a aposta nos diferentes tipos de agricultura e de agricultores, melhorando a posição destes na cadeia de valor.

“Certos do contributo do sector da agricultura neste desafio, não podemos hesitar na aposta nos diferentes tipos de agricultura e de agricultores, designadamente no que toca à produção biológica, à agricultura familiar e à silvopastorícia, bem como na busca de oportunidades de negócio associadas à bioeconomia”, avançou Maria do Céu Albuquerque, numa audição parlamentar, em Lisboa, em conjunto com os ministros do Ambiente e da Acção Climática e da Administração Interna.

Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais

Apresentando aos deputados o Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais (PNGIFR), que esteve em consulta pública durante dois meses – até 05 de Fevereiro, a ministra da Agricultura destacou o “papel crucial” do sector na ocupação e na gestão dos territórios, nomeadamente na criação de faixas de interrupção da floresta e de um mosaico na paisagem, “dificultando ou, mesmo, impedindo a propagação de incêndios”.

Classificando como “virtuosa” a ligação do sector com a prevenção de fogos rurais, Maria do Céu Albuquerque disse que é preciso dinamizar a agricultura enquanto actividade económica, com a criação de rendimentos e de emprego para os residentes desses territórios rurais, com a aplicação de inovação e com a valorização dos produtos endógenos.

“Neste processo, pretende-se também garantir a melhoria da posição do agricultor na cadeia de valor, nos casos em que é também proprietário da floresta, fomentando a agregação em organizações de produtores florestais e o seu crescimento para a gestão e comercialização do produto”, referiu a responsável pela pasta da Agricultura, explicando que o objectivo é diminuir o nível de vulnerabilidade aos incêndios e aumentar a competitividade do sector.

Redimensionamento da propriedade rural

A ministra sublinhou que a questão do redimensionamento da propriedade rural “não será esquecida”, em que se procurará “promover o emparcelamento e apoiar a implementação de mecanismos reguladores de prédios rurais”, com o objectivo de obter áreas de cultura economicamente viáveis e com maiores níveis de rentabilidade.

Para aumentar a remuneração dos proprietários, o Governo pretende lançar linhas de apoio técnico e financeiro para a promoção de projectos nas áreas da bioeconomia e da economia circular, a diversificação e qualificação das actividades da economia rural e a promoção da multi-funcionalidade dos sistemas agroflorestais através do “aumento das várias actividades agrícolas e visando ainda o reforço da presença de jovens empresários em territórios rurais”.

Além disso, o PNGIFR prevê o planeamento e a promoção de uma paisagem diversificada e em mosaicos, que se concretizará com a implementação de Programas Territoriais Multifundos para Espaços Agroflorestais em Territórios Prioritários.

A ideia é promover a “reconversão de espaços para usos agrícolas ou para a silvopastorícia, com maior relevo para as áreas em redor dos aglomerados rurais”, explicou a ministra da Agricultura, lembrando a importância da promoção da silvopastorícia a norte do Tejo, designadamente para o aumento de efectivos e para a valorização das regiões e dos produtos.

Com um horizonte temporal de uma década, o PNGIFR prevê que em 2030 tenham sido limpos 1,2 milhões de hectares de floresta, correspondentes a “20% dos seis milhões de hectares que existem no território com risco de incêndio”.

As metas a atingir prevêem ainda que dentro de 10 anos as áreas ardidas com mais de 500 hectares estejam totalmente geridas e com planos de recuperação executados, e que existam menos de 80% das ignições nos dias de risco de incêndio.

O plano prevê uma despesa total superior a seis mil milhões de euros, com um investimento expectável de 60% a ser direccionado para a prevenção e 40% para o combate, tendo como objectivo central a redução para metade da área ardida até 2030.

Agricultura e Mar Actual

O post Ministra da Agricultura destaca contributo da agricultura no Plano de Gestão Integrada aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/ministra-da-agricultura-destaca-contributo-da-agricultura-no-plano-de-gestao-integrada/feed/ 0
Incêndios florestais: investigadores apresentam primeiros resultados dos projectos financiados pela FCT http://agriculturaemar.com/incendios-florestais-investigadores-apresentam-primeiros-resultados-dos-projectos-financiados-pela-fct/ http://agriculturaemar.com/incendios-florestais-investigadores-apresentam-primeiros-resultados-dos-projectos-financiados-pela-fct/#respond Wed, 12 Feb 2020 10:30:41 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47726 São 18 os projectos de investigação em curso na área da prevenção e combate a incêndios florestais, financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito da “call” de 2017, que vão ser apresentados, em Coimbra, na próxima sexta-feira, dia 14 de Fevereiro. Trata-se do “1.º Workshop sobre investigação científica e desenvolvimento …

O post Incêndios florestais: investigadores apresentam primeiros resultados dos projectos financiados pela FCT aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
São 18 os projectos de investigação em curso na área da prevenção e combate a incêndios florestais, financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito da “call” de 2017, que vão ser apresentados, em Coimbra, na próxima sexta-feira, dia 14 de Fevereiro.

Trata-se do “1.º Workshop sobre investigação científica e desenvolvimento tecnológico na área da prevenção e combate a incêndios florestais”, que tem como objectivo maximizar os resultados dos projectos em curso e promover sinergias entre os vários grupos de investigação a trabalhar nesta área.

A iniciativa tem lugar, entre as 9h00 e as 17h30, no auditório Laginha Serafim do Departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

Firestorm

Entre os projectos que vão ser apresentados está o Firestorm, que está a estudar a dinâmica dos grandes incêndios florestais, nomeadamente as condições associadas a eventos extremos em incêndios florestais, com o objectivo de melhorar a compreensão do seu comportamento e evolução, e a capacidade de os prever.

Esta investigação é liderada por Domingos Xavier Viegas, professor catedrático da FCTUC e coordenador da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), e tem como parceiros o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a Universidade de Aveiro (UA) e o Instituto de Engenharia Mecânica do Instituto Superior Técnico de Lisboa (IST).

Firefront

O Firefront, liderado por uma equipa do Instituto de Sistemas e Robótica do Instituto Superior Técnico de Lisboa (ISR/IST), é outro dos projectos que vai ser exposto. No âmbito desta investigação, está ser desenvolvida uma solução de apoio ao combate a fogos florestais através da detecção e seguimento em tempo real das frentes de incêndio e eventuais reacendimentos.

Para tal, os investigadores recorrem a veículos aéreos tripulados e não tripulados (drones), equipados com sensores e sistemas de comunicação especializados, que sobrevoam a região afectada. Este projecto tem como parceiros o Instituto de Telecomunicações, a ADAI, a Força Aérea Portuguesa, a empresa UAVision e o Aeroclube de Torres Vedras.

McFIRE

Destaque ainda para o projecto McFIRE, que, tendo por base o modelo usado para o cálculo do Índice Meteorológico de Risco de Incêndio, visa desenvolver um modelo de previsão do risco de incêndio face à nova realidade climática, tendo em consideração o comportamento do teor de humidade das espécies presentes na floresta portuguesa a partir de medições do teor de humidade e de parâmetros meteorológicos realizadas em vários locais do território nacional e de ensaios laboratoriais.

Coordenado por Jorge Raposo, da ADAI, o McFIRE conta com a participação da Universidade do Algarve e dos Institutos Politécnicos de Viana do Castelo e de Viseu.

Projectos lançados no concurso de 2017

Após um ano de execução dos projectos que foram lançados no concurso de 2017, Domingos Xavier Viegas, um dos organizadores do Workshop, entende que “é importante iniciar um ciclo de eventos que nos permita discutir assuntos de interesse comum. Em particular, devemos pensar em formas de colaboração para maximizar quer os resultados dos projectos, quer os serviços que possamos prestar à comunidade”.

“Nos dois concursos (2017 e 2018) promovidos pela FCT, verificámos que há muita complementaridade entre os vários projectos de investigação. Por isso, propomos que haja aproveitamento de recursos e de conhecimentos e partilha de informação entre os investigadores, para que – esta é a nossa visão – possa haver continuidade nos financiamentos, mas com equipas e projectos mais robustos”, refere.

O catedrático da FCTUC realça ainda que se pretende “identificar quais são os grandes problemas e onde é que há capacidade para explorar e trabalhar para, posteriormente, se desenvolver projectos de maior dimensão. No fundo, procuramos de alguma forma ajudar a FCT a encontrar novos caminhos de investigação na temática dos incêndios florestais”.

Agricultura e Mar Actual

O post Incêndios florestais: investigadores apresentam primeiros resultados dos projectos financiados pela FCT aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/incendios-florestais-investigadores-apresentam-primeiros-resultados-dos-projectos-financiados-pela-fct/feed/ 0
Navigator presente no SISAB Portugal o maior salão internacional agroalimentar http://agriculturaemar.com/navigator-presente-no-sisab-portugal-o-maior-salao-internacional-agroalimentar/ http://agriculturaemar.com/navigator-presente-no-sisab-portugal-o-maior-salao-internacional-agroalimentar/#respond Wed, 12 Feb 2020 09:59:34 +0000 http://agriculturaemar.com/?p=47729 A The Navigator Company irá estar presente de 2 a 4 de Março, no SISAB Portugal, o maior salão internacional da indústria agroalimentar e de bebidas, que irá decorrer no Altice Arena, em Lisboa. Ao longo de três dias, mais de 500 expositores de 28 sectores de actividade, provenientes de 130 países do Mundo, irão …

O post Navigator presente no SISAB Portugal o maior salão internacional agroalimentar aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
A The Navigator Company irá estar presente de 2 a 4 de Março, no SISAB Portugal, o maior salão internacional da indústria agroalimentar e de bebidas, que irá decorrer no Altice Arena, em Lisboa.

Ao longo de três dias, mais de 500 expositores de 28 sectores de actividade, provenientes de 130 países do Mundo, irão dar a conhecer as suas grandes novidades na fileira agroalimentar. O SISAB Portugal – que conta, este ano, com a sua 25.ª edição – é um evento por excelência onde as empresas nacionais poderão encontrar os mais relevantes importadores dos cinco continentes do Mundo.

Angariar novos clientes nos mercados de África e da América do Sul

Esta é a segunda vez que a Navigator participa neste grande evento. Através da sua presença, a empresa pretende estabelecer contacto com os vários importadores e angariar novos clientes nos mercados de África e da América do Sul, dando-lhes a conhecer as últimas novidades de produtos e soluções competitivas na área de tissue.

A Navigator é a terceira maior exportadora portuguesa, representando aproximadamente 1% do PIB nacional e 2,4% das exportações nacionais de bens. Actualmente, gere mais de 110 000 hectares de floresta, sendo a produção de pasta e papel suportada pela de utilização de florestas que são plantadas exclusivamente para esse efeito.

A empresa entrou em 2015 no negócio do Tissue e tem, actualmente, uma capacidade de produção de 120 mil toneladas de produto acabado nos Complexos industriais de Vila Velha de Ródão e de Aveiro.

SISAB Portugal

O SISAB Portugal é um evento com características únicas, líder de mercado no apoio à exportação das empresas que nele participam, possibilitando, anualmente, milhares de novos negócios em diferentes áreas geográficas.

Do seu programa fazem parte a realização de provas, degustações e espectáculos exclusivos, num horário contínuo das 09h00 às 21h15, todos os dias, facilitando o estabelecimento de contactos e de negócios entre todos os expositores e compradores.

Agricultura e Mar Actual

O post Navigator presente no SISAB Portugal o maior salão internacional agroalimentar aparece primeiro no AGRICULTURA E MAR ACTUAL.

]]>
http://agriculturaemar.com/navigator-presente-no-sisab-portugal-o-maior-salao-internacional-agroalimentar/feed/ 0