Início / Featured / Carga movimentada nos portos brasileiros cai 3,3% no 1.º semestre de 2019 para 513 toneladas

Carga movimentada nos portos brasileiros cai 3,3% no 1.º semestre de 2019 para 513 toneladas

Os portos brasileiros movimentaram 513 milhões de toneladas de carga no primeiro semestre de 2019. Este valor volume representou queda de 3,29% face aos primeiros seis meses do ano passado.

Segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), responsável pelo balanço, o fraco desempenho da economia brasileira e a retracção da economia mundial são os motivos da queda.

Os Terminais de Uso Privado (TUPs) responderam pela movimentação de 337 milhões de toneladas, registando queda de 4,04%. Já os portos públicos operaram 176 milhões de toneladas, decréscimo de 1,83%.

Das nove principais instalações portuárias do país, oito tiveram retracção no movimento de cargas no primeiro semestre, em comparação a igual período do ano passado. São eles os TUPs de Ponta da Madeira (MA), com retracção de 7%, Tubarão, que teve queda de 25,4%, São Sebastião, -0,5%, e Ilha Guaíba (RJ), -37,8%.

Menos embarques de minério de ferro

Segundo avança o jornal brasileiro A Tribuna, a queda da movimentação no primeiro semestre de 2019 foi motivada de forma directa pelo recuo nos embarques de minério de ferro, que é a mercadoria de maior peso bruto movimentado.

“O granel sólido de minério de ferro vem enfrentando problemas desde a ponta inicial da cadeia produtiva, devido ao rompimento de barragens e a um período atípico de chuvas intensas na região norte do país”, disse o gerente substituto de Estatística e Avaliação de Desempenho da Antaq, Leopoldo Kirchner.

Em todo o país, a operação de granéis sólidos somou 314,6 milhões de toneladas, uma queda de 6,8%. Já os granéis líquidos chegaram a 115,9 milhões de toneladas, em alta de 2,58%.

Agricultura e Mar Actual

Verifique também

Projecto EntoValor: Insectos na alimentação animal tornam sector mais sustentável

O projecto EntoValor demonstra que a introdução de insectos permite manter um sector agro-alimentar a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.