Início / Agricultura / Andaluzia certifica a ausência de Xylella fastidiosa depois de 6.000 análises a olivais
Sintomas de declínio rápido da oliveira observados em Puglia, Itália. Foto: EPPO

Andaluzia certifica a ausência de Xylella fastidiosa depois de 6.000 análises a olivais

O Ministério da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural da Junta de Andaluzia, em Espanha, certificou que a comunidade está livre da presença da Xylella fastidiosa depois de, em 2017, ter realizado 6.082 análises em olivais.

O anúncio foi feito na quarta-feira, dia 8 de Novembro pelo titular da pasta da Agricultura, Rodrigo Sánchez Haro, durante o seu discurso no Encontro Internacional Phytoma Espanha, realizado em Jaén sob o tema “Azeitona: desafios da saúde vegetal e inovação tecnológica”, um fórum que debateu os modelos de produção integrada e ecológica.

O governante espanhol explicou que a vigilância extrema foi feita em material vegetal sensível em viveiros, zonas desportivas e comerciais, parques e jardins, bem como em olivais, cítricos, vinhedos e amendoeiras nas províncias de Granada, Jaén e Almería.

Rodrigo Sánchez Haro quis assim transmitir uma mensagem de calma aos agricultores da região, que tem em curso, desde 2014, um plano de contingência de luta contra a Xylella fastidiosa na Península Ibérica.

Ver também:

Xylella fastidiosa, o que é, como prevenir?

DGAV divulga plano para resposta rápida à Xylella fastidiosa

Espanha eliminou 57% das árvores com Xylella fastidiosa nas Baleares

Espanha: Xylella fastidiosa leva a quebra de 50% na colheita de amêndoa em Maiorca

Alerta: Xylella fastidiosa chegou ao território continental espanhol

DGAV pede vigilância contra Xylella fastidiosa e lança poster sobre plantas hospedeiras

Xylella fastidiosa: plantas provenientes das ilhas Baleares proibidas em Portugal

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

Cotações – Azeite e Azeitona – Informação Semanal – 13 a 19 Novembro 2017

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas Azeitona de mesa Foi dada por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *