Início / Featured / Açores levam propostas para defesa da pesca de atum à Comissão Internacional para a Conservação dos Tunídeos

Açores levam propostas para defesa da pesca de atum à Comissão Internacional para a Conservação dos Tunídeos

O director Regional das Pescas afirmou hoje, 13 de Junho, em Bruxelas, que as propostas do Governo dos Açores para a defesa da pesca de atum serão levadas à ICCAT – Comissão Internacional para a Conservação dos Tunídeos do Atlântico.

Luís Rodrigues falava à margem de uma reunião com membros do gabinete do Director-Geral para os Assuntos Marítimos e Pescas (DGMARE) da União Europeia e da Representação Permanente de Portugal Junto da União Europeia (REPER).

O director Regional salientou que as propostas apresentadas tiveram “bom acolhimento” por parte da DGMARE e serão levadas às reuniões da ICCAT que se realizam “já no próximo mês de Julho”, onde serão discutidos assuntos relacionados com a pesca do atum patudo.

Corredores livres de Dispositivos Agregadores de Peixe

“Uma das medidas a que foi dada mais atenção foi a proposta de criação de corredores livres de Dispositivos Agregadores de Peixe (FAD)”, referiu Luís Rodrigues, acrescentando que o Governo dos Açores defende também “a discriminação positiva nas possibilidades de pesca para as frotas que utilizam artes de salto e vara, o controlo das licenças a cercadores no Atlântico e ainda a diminuição e controlo de FAD”.

O director Regional afirmou que a presença de atum nas águas açorianas tem vindo a diminuir nos últimos anos, sendo uma das causas apontadas pelos investigadores a “utilização intensiva” de FAD por diversas frotas ao largo da costa africana, “provocando a mortalidade elevada de juvenis desta espécie e até a alteração das rotas migratórias”.

Pescaria de atum patudo

A deslocação do director Regional das Pescas realizou-se a convite do Gabinete de Representação dos Açores em Bruxelas e da Sciaena – Associação de Ciências Marinhas e Cooperação e teve como objectivo discutir assuntos relacionados com a pescaria de atum patudo, dado que este ano, no âmbito da ICCAT, será discutida a quota para esta espécie de atum para os próximos dois anos.

Luís Rodrigues salientou que “a pesca de atum, nomeadamente do atum patudo, é de extrema importância para as comunidades piscatórias açorianas, onde impera a arte do salto e vara”, frisando que esta “é uma das formas de pesca mais sustentáveis e com menos impactos ambientais”.

O director Regional referiu que esta pescaria tem “uma grande dimensão social”, na medida em que “mais de 75% da frota regional está licenciada para a pesca com a arte de salto e vara”, sendo que “mais de cinco dezenas de embarcações açorianas pescam exclusivamente atum”.

Agricultura e Mar Actual

loading...

Verifique também

Angola prepara estratégia para melhorar gestão dos recursos marinhos

O Ministério das Pescas e do Mar de Angola está a elaborar uma estratégia nacional, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.